Notícias e Pesquisas

15 Jan 2020

Perfil do consumidor - consumo pela internet

Cerca de 4 entre 10 brasileiros adquirem bens e serviços pela internet

O percentual de brasileiros que já fez compras pela internet passou de 23%, em 2013, para 42% em 2019, percentual que aumenta para 54% quando considerados apenas aqueles que costumam acessar a internet pelo menos uma vez por mês.

Entre os brasileiros que já compraram pela internet pelo menos uma vez, cerca de dois terços realizam essas compras sempre ou às vezes.

Quanto maior a renda familiar dos brasileiros, maior o percentual que realiza compras pela internet e maior a frequência com que essas compras ocorrem.

Os brasileiros costumam comprar mais produtos que serviços pela internet. Os produtos mais citados são eletrônicos, calçados, bolsas e acessórios e vestuário, enquanto entre os serviços os mais citados são pedidos de refeições em restaurantes, filmes e músicas por streaming, ingressos de show e cinema e transporte urbano por aplicativos.

A população considera que o fato de os produtos serem mais baratos e acessíveis é a principal vantagem de se comprar pela internet, seguido da praticidade e comodidade. A dificuldade de trocar ou devolver o produto e a demora na entrega são citadas entre as principais desvantagens das compras online.

Entre 2013 e 2019, o percentual de brasileiros que afirmam nunca comprar produtos piratas aumentou de 28% para 45%. Já em relação ao comércio informal, verifica-se estabilidade no comportamento dos consumidores entre 2013 e 2019.

Frequência de compras pela internet

Cresce percentual de brasileiros que já fez compras pela internet

O percentual de brasileiros que já fez compras pela internet praticamente dobrou entre 2013 e 2019, passando de 23% para 42%. Considerando apenas os 78% de brasileiros que costumam acessar a internet pelo menos uma vez ao mês, esse percentual aumenta para 54%.

Esse percentual médio esconde diferenças significativas entre faixas etárias e níveis de renda familiar.

As diferenças mais significativas aparecem ao analisar o recorte de renda familiar. Enquanto 74% dos brasileiros com renda familiar superior a cinco salários mínimos já fizeram compras pela internet, o percentual se reduz para 59% entre aqueles com renda familiar entre dois e cinco salários mínimos, para 37% entre os com renda familiar entre um e dois salários mínimos e cai para 21% entre os brasileiros com renda familiar até um salário mínimo.

O recorte por idade, por sua vez, mostra que as faixas etárias mais jovens têm maior predominância nos hábitos de compras pela internet: 54% dos brasileiros com idades entre 16 e 24 anos já fizeram compras pela internet e 56% dos brasileiros entre 25 e 34 anos. A partir desta última faixa etária, o percentual diminui: 48% entre os com idade entre 35 e 44 anos, 32% entre os com idade entre 45 e 54 anos e 23% entre os brasileiros com 55 anos ou mais.

Entre os brasileiros que já fizeram compras pela internet alguma vez na vida, 20% afirmam que sempre fazem compras pela internet, outros 44% afirmam que o fazem às vezes, e 34% que as compras pela internet são realizadas raramente. Os que afirmam nunca fazer compras pela internet são 3%.

O padrão de renda se mantém em relação à frequência de compras pela internet. Não apenas os brasileiros com maior renda familiar compram mais pela internet, como a frequência de compras é maior entre eles. Considerando apenas os brasileiros que já realizaram compras pela internet pelo menos uma vez na vida, 34% dos que possuem renda familiar superior a cinco salários mínimos fazem compras online sempre, percentual que cai com a renda e chega a 9% entre aqueles com renda familiar inferior a um salário mínimo.

Produtos e serviços mais comprados pela internet

Comprar produtos pela internet é mais comum do que comprar serviços

Entre os brasileiros que já fizeram compras online pelo menos uma vez na vida, 98% mencionam que compraram algum produto, enquanto 75% alegam ter adquirido serviços online.

Uma das explicações para isso é que os produtos comprados pela internet substituem produtos que são consumidos por brasileiros de todas as faixas de renda, como vestuário, calçados, eletrônicos e eletrodomésticos. Já os serviços oferecidos online, mesmo quando oferecidos de forma tradicional, são menos adquiridos por brasileiros de renda mais baixa, como refeições em restaurantes, opções de lazer, viagens aéreas ou transporte privado. Assim, o consumo online de produtos alcança mais brasileiros que o consumo online de serviços, porque o tipo de serviço oferecido online é mais voltado para brasileiros de renda mais alta.

Cerca de quatro em cada dez brasileiros que já realizaram compras pela internet (43%) mencionam que os produtos comprados com mais frequência são eletrônicos, como TVs, celulares e videogames. O segundo grupo de produtos mais citado é calçados, bolsas e acessórios, mencionado por 31% entre os adquiridos online com mais frequência, seguido por vestuário, com 23%.

Considerando ainda os brasileiros que já fizeram compras online, entre os serviços mais adquiridos pela internet estão o pedido de refeições em restaurantes por aplicativos (16%), a aquisição de filmes e músicas por serviços de streaming (16%), ingressos em shows/cinema (15%) e transporte urbano (15%).

Vantagens e desvantagens das compras online

Preço mais baixo é maior vantagem de comprar pela internet, enquanto dificuldade de troca é principal desvantagem

Na opinião de 37% dos brasileiros, a principal vantagem de realizar uma compra pela internet é que os produtos e serviços são mais baratos/acessíveis. A segunda maior vantagem, apontada por 16% dos respondentes, é o fato de as compras online serem mais práticas/cômodas e não demandarem que o consumidor saia de casa.

Quanto maior a renda familiar dos brasileiros, mais eles apontam a praticidade e comodidade das compras online como seu principal benefício. Considerando apenas os que já fizeram compras pela internet, o percentual passa de 15% entre os brasileiros com renda familiar de até um salário mínimo para 28% entre os brasileiros com renda familiar superior a cinco salários mínimos.

Do outro lado da avaliação, 26% apontam a dificuldade em trocar ou devolver produtos como a principal desvantagem de se comprar pela internet. A demora na entrega foi apontada por 22% dos entrevistados e outros 15% disseram que a principal desvantagem das compras online é a falta de contato com o produto.

A demora na entrega incomoda mais os consumidores mais jovens do que os mais velhos. Considerando apenas os que já realizaram compras pela internet, entre os que possuem 16 a 24 anos, 31% apontam a demora na entrega como a principal desvantagem de se comprar pela internet, percentual que cai com a idade e chega a 14% entre os que têm 55 anos ou mais.

Ainda considerando apenas a opinião dos que já realizaram compras online, a demora na entrega é mais citada como a principal desvantagem das compras online entre os moradores da região Nordeste em relação às demais regiões do país: 30%, contra 25% na região Sul, 23% nas regiões Norte/Centro-Oeste e 20% na região Sudeste.

Comércio informal e produtos piratas

Brasileiros compram menos produtos piratas do que em 2013

Entre 2013 e 2019, o percentual de brasileiros que afirmam nunca comprar produtos piratas aumentou de 28% para 45%. A maior queda foi observada entre os que afirmam comprar produtos piratas às vezes, de 34% para 23%, enquanto a queda nos que afirmam comprar produtos pirateados sempre foi de 13% para 7%.

O hábito de comprar produtos piratas é mais forte entre os homens. Entre eles, 59% compram produtos pirateados pelo menos raramente, percentual que cai para 51% entre as mulheres.

O hábito também é mais frequente entre brasileiros mais jovens: 71% dos brasileiros com idade entre 16 e 24 anos afirmam comprar produtos piratas, mesmo que raramente, percentual que cai com a idade e chega a 28% entre os brasileiros com 55 anos ou mais.

Um dos fatores que pode ter contribuído para a redução da compra de produtos piratas é a popularização de alternativas de consumo de produtos originais a preços menores, como as plataformas de streaming de músicas e filmes, que reduz a demanda por CDs e DVDs pirateados.

Não se verifica um padrão claro em relação à renda na compra de produtos pirateados.

Entre os brasileiros, 25% afirmam nunca comprar no comércio informal produtos como roupas, acessórios, brinquedos, DVDs, eletrônicos, entre outras coisas. O percentual é próximo ao verificado na pesquisa realizada em 2013 (24%), o que indica estabilidade no comportamento dos consumidores.

DADOS DA PESQUISA

Nome da pesquisa

Perfil do consumidor - consumo pela internet

Margem de erro

2 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

Tema

Internet

Opinião pública

Varejo

Contratante

CNI - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA

Período

19/09/2019 a 22/09/2019

Local

Brasil

Amostra

2000 entrevistas em 126 municípios.

ARQUIVO(S) PARA DOWNLOAD
Pesquisa completa
Perfil do consumidor - consumo pela internet