Notícias e Pesquisas

11 Set 2019

Metade da população paulistana deixa de visitar parentes e amigos(as) por causa do preço da tarifa do ônibus

A pesquisa “Viver em São Paulo: Mobilidade Urbana” traz dados de percepção da população paulistana acerca de diferentes questões relacionadas ao tema. Realizado pela Rede Nossa São Paulo em parceria com o IBOPE Inteligência e com apoio do MobCidades, o levantamento aborda questões como o deslocamento na cidade, o uso dos meios de transportes e políticas públicas.

A pesquisa aponta que o tempo médio diário de deslocamento para realização da atividade principal cai 10 minutos em relação ao ano passado e atinge 1h47m.

Mais da metade das pessoas entrevistadas (58%) gastam até 2 horas por dia em deslocamento para realizar a sua atividade principal – 13% gastam até 30 minutos; 15% mais de 30 minutos a 1 hora; 15% mais de 1 hora a 1 hora e meia; e 15% mais de 1 hora e meia a 2 horas. Ainda, 11% gastam mais de 2 horas a 3 horas; 6% mais de 3 horas a 4 horas; e 4% mais de 4 horas. Porém, 10% declaram trabalhar ou estudar em casa e 8% não precisam ou não saem de casa.

Já o tempo médio gasto em todos os deslocamentos diminui 18 minutos em comparação com 2018, chegando a 2 horas 25 minutos. Nos últimos 3 anos, a queda acumulada foi de 33 minutos.

O tempo médio gasto com todos os deslocamentos por pessoas que usam carro todos os dias ou quase todos os dias é de 2 horas e 33 minutos; já as pessoas que usam transporte público coletivo todos os dias ou quase todos os dias gastam em média em todos os seus deslocamentos 2 horas e 27 minutos.

Moradoras e moradores da região Leste são os que gastam mais tempo em todos os seus deslocamentos (2 horas 39 minutos), enquanto os do Centro e Oeste são os que levam menos tempo (2 horas e 7 minutos e 2 horas e 9 minutos, respectivamente).

Uso dos meios de transporte
Ônibus permanece o meio de transporte utilizado com mais frequência pela população paulistana (47%) e o carro aparece em segundo lugar (20%). Em seguida, metrô (12%), a pé (6%), transporte particular como Uber, 99 e outros (5%), trem (4%), bicicleta (2%), ônibus intermunicipal (1%) e motocicleta (1%).

Em comparação às edições anteriores da pesquisa, observa-se que a frequência regular de uso do transporte público coletivo volta ao patamar de 2017 (84%); e “andar a pé” atinge maior patamar desde 2015, 76%, sendo que 24% da população paulistana afirma andar a pé todos os dias, 22% quase todos os dias e 30% de vez em quando.

O levantamento de 2019 revela que quase a totalidade das pessoas entrevistadas não utiliza patinete (88%). Apenas 1% declara usar de 5 a 7 dias por semana, 2% de 3 a 4 dias por semana, 3% de 1 a 2 dias por semana, 2% de 2 a 3 vezes por mês e 3% menos de uma vez por mês.

Em relação aos aplicativos voltados para o transporte, os mais utilizados são os de solicitar táxi ou transporte particular, sendo citados por seis em cada dez entrevistadas e entrevistados. São 27% os que utilizam aplicativos voltados ao uso do ônibus (consulta de horários de chegada e partida, itinerário, etc); 12% para aluguel/uso e patinete; e 5% para aluguel/uso de bicicleta.

Uso dos meios de transporte: ônibus municipal
Cerca de metade da população paulistana usa o ônibus municipal de uma a cinco vezes por semana (48%) – 8% utilizam 7 dias por semana; 7% utilizam 6 dias por semana; 15% utilizam 5 dias por semana; 7% utilizam 4 dias por semana; 12% utilizam 3 dias por semana; 8% utilizam 2 dias por semana; e 6% utilizam apenas 1 dia por semana.

Pessoas que moram nas regiões Norte e Leste são as que mais usam ônibus municipal até 5 vezes por semana (51% e 49% respectivamente).

O tempo médio de espera do ônibus é de 21 minutos. Apenas 4% das paulistanas e paulistanos declaram esperar até 5 minutos; enquanto 39% esperam mais de 5 a 15 minutos; 35% mais de 15 a 30 minutos; 10% mais de 30 a 45 minutos; 6% mais de 45 a 60 minutos; e 3% mais de 60 minutos.

Para as usuárias e usuários de ônibus municipal, o problema que mais precisa ser resolvido é a lotação (19%). O segundo mais mencionado são o preço da tarifa (16%) e a frequência do ônibus (16% cada), seguidos pela pontualidade dos ônibus (11%), segurança com relação a furtos e roubos (8%), tempo de duração de viagem e conforto (ambos com 5% cada), acessibilidade para pessoas com deficiência (4%), segurança com relação a assédio sexual (3%), informações nos pontos de ônibus e terminais (2%); e espaços para carrinhos, malas e sacolas, temperatura dentro do ônibus, limpeza dos ônibus e espaço para crianças de colo e pequenas (1% cada item).

Entre as pessoas que não utilizam ou utilizam apenas até dois dias por semana ônibus municipal, a lotação ainda é o principal motivo para a não utilização (34%), seguida pela demora do trajeto (31%) e pelo uso do carro (25%). A tarifa de ônibus ser muito cara tem uma tendência de crescimento, chegando a 20% das menções. Em 2018, o motivo foi citado por 16% e, em 2017, por 14%.

A pesquisa indica que o preço da tarifa é um problema também para as pessoas que utilizam o ônibus municipal. Em 2019, 50% declaram deixar de visitar amigas(os) ou familiares sempre ou às vezes por conta do preço da passagem (19% sempre e 31% às vezes). Além disso, 45% deixam de ir a parques, cinemas e outras atividades de lazer (16% sempre 29% às vezes); 40% deixam de fazer consultas médicas ou exames (13% sempre e 27% às vezes); 37% deixam de procurar emprego (13% sempre e 24% às vezes); e 24% ir à escola ou universidade (11% sempre e 13% às vezes).

De modo geral, 71% dos usuários e usuárias de ônibus municipal deixaram de fazer sempre ou às vezes algumas das situações avaliadas. Entre esses, o perfil que se destaca é de mulheres (57%), pessoas autodeclaradas pretas ou pardas (57%), da classe C (54%), com renda familiar de até dois salários mínimos (46%), com Ensino Médio (44%), da região Leste (35%) e com 55 anos ou mais (23%).

Uso dos meios de transporte: automóvel
Em 2019, 72% das paulistanas e paulistanos declaram usar automóvel com alguma frequência – 16% todos os dias, 15% quase todos os dias, 41% de vez em quando, 17% raramente e 12% nunca.

É possível observar que o uso do automóvel todos os dias, quase todos os dias ou de vez em quando é maior quanto maior for: a classe social; a renda; e a escolaridade. Destacam-se, também, pessoas que têm de 25 a 54 anos.

Cerca de oito em cada dez usuários e usuárias frequentes de carro indicam ter uma predisposição em deixar de usá-lo, “caso houvesse uma boa alternativa de transporte público”: 50% “com certeza deixaria” (em 2018 esse número era 41%); e 28% “provavelmente deixaria”.

Uso dos meios de transporte: bicicleta
Para quem nunca utiliza bicicleta, mais segurança para ciclistas continua sendo a opção mais citada entre as que fariam com que o entrevistado se tornasse um(a) usuária(o) de bicicleta (33% das menções). Seguida de “construir mais ciclovias para interligar as diferentes regiões da cidade”, com 20%, assim como “se trabalhasse/estudasse mais próximo de casa/ se as distâncias fossem menores, também com 20% das menções; “se existissem menos subidas, ladeiras, morros, se a cidade fosse mais planas” com 18%; e “mais sinalização nas ruas” com 16%.

Furtos/roubos e desrespeito de motoristas e motociclistas seguem como os principais motivos que afetam a vontade de usar as ciclovias e ciclofaixas na cidade de São Paulo (35% e 26% respectivamente). Já a “necessidade de usar trechos que não são ciclovias/ciclofaixas” é apontada por 18%, assim como “buracos e irregularidades no solo”, também com 18% das menções.

Mobilidade urbana e políticas públicas
Cerca de metade da população paulistana avalia negativamente a atuação da administração municipal e da administração estadual no combate ao assédio sexual no transporte público – 51% consideram “ruim péssima”; 22% “regular”; e 19% “ótima/boa”.

A maioria das paulistanas e paulistanos são a favor da “construção e ampliação de corredores e faixa exclusivas de ônibus” (87%), da “aplicação de multa para veículos que param em cima da faixa de pedestres ou em cima das calçadas” (86%); e da “construção e ampliação das ciclovias e ciclofaixas (82%).

Ainda, 65% são a favor da “substituição de vagas para veículos particulares por áreas de uso público como faixas de ônibus, alargamento das calçadas, ciclovias, parklets”; e 56% são a favor da “redução das velocidades praticadas nas ruas e avenidas da cidade”.

Já em relação a “aplicação de multas em pedestres”, 39% são a favor e 47% contra.

Cerca de 4 em cada 10 das pessoas entrevistadas dizem que foram muito afetadas pelas mudanças na política de vale transporte realizadas pela administração municipal (42%). Somado a isso, 27% afirmam que foram pouco afetadas(os) e 27% afirmam não terem sido afetadas(os).

A sensação de insegurança ainda prevalece na população paulistana quando circulam pela cidade como pedestre, 37% dizem se sentir “nada seguro” e 48% “pouco seguro”. 

DADOS DA PESQUISA

Nome da pesquisa

Viver em São Paulo: Mobilidade Urbana

Margem de erro

3 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

Tema

Administração pública

Transporte

Contratante

Rede Nossa São Paulo

Período

03/08/2019 a 19/08/2019

Local

Brasil - São Paulo - SP

Amostra

800 entrevistas.

ARQUIVO(S) PARA DOWNLOAD
Viver em São Paulo: Mobilidade Urbana
Pesquisa completa