Notícias e Pesquisas

02 Jul 2019

Confiança do consumidor cai novamente

O INEC (Índice Nacional de Expectativa do Consumidor) recuou de 48,4 pontos em abril de 2019 para 47,0 pontos em junho. A queda é a se­gunda consecutiva, que afastou o índice da linha divisória de 50 pontos, mostrando maior falta de confiança do consumidor.

Apesar da queda, o índice ainda se encontra aci­ma da média histórica de 46,1 pontos. O índice é também 6,7 pontos superior ao registrado em junho passado; ressalte-se, contudo, que o índice daquele mês havia sido impactado pela paralisação dos caminhoneiros, no final do mês anterior.

O INEC é menor na região Nordeste – o índice, inclu­sive, está abaixo da média histórica para a região. O mesmo ocorre com aqueles com renda familiar até um salário mínimo.

Piora das expectativas e situação financeira

Todos os índices que compõem o INEC pioraram entre abril e junho de 2019. O índice de endividamento cresceu de 49,0 para 51,0 pontos, ou seja, mostrava queda e agora mostra um aumento do endividamento dos consumidores. Quanto à renda, que antes também apresentava uma pequena expectativa de aumento em 50,5 pontos, agora se situa ligeiramente abaixo da linha divisória em 49,7 pontos, mostrando relativa estabilidade das expectativas. Também se destaca a piora da avaliação quanto evolução futura do desemprego. De 54,7 pontos, o índice subiu para 56,4 pontos, aumento de 1,8 ponto.

Segunda queda consecutiva da confiança para todas as faixas etárias

O INEC recuou novamente para todas as faixas etárias consideradas entre junho e abril de 2019. A maior queda foi registrada entre os adultos de 35 a 44 anos (queda de 2,7 pontos). Na comparação com junho de 2018, todos os índices apresentaram significativa melhora, uma vez que a confiança naquele mês havia sido afetada pela greve dos caminhoneiros ocorrida no mês anterior.

Queda da confiança é maior entre os mais instruídos

O INEC também recuou para todos os graus de instrução, sobretudo dentre aqueles com ensino superior, que apresentaram uma queda de 2,1 pontos. As quedas observadas são maiores para os grupos com maior grau de instrução – ensino médio e superior.

Maior queda da confiança nas faixas de renda mais baixas

Na comparação com abril, a maior queda do INEC foi registrada dentre o grupo com até 1 salário mínimo. O índice de junho deste grupo também se encontra abaixo de sua média histórica, sendo a única faixa que apresentou este resultado. Ressalte-se ainda que o grupo de renda familiar entre 2 a 5 salários mínimos passou a mostrar falta de confiança – o índice recuou de 50,4 pontos para 48,8 pontos. Somente a faixa mais alta, acima de 5 salários mínimos, ainda mostra confiança (índice acima de 50 pontos).

População do Norte/Centro-oeste e Nordeste estão mais pessimistas

A maior queda do INEC entre as regiões foi registrada no Norte/Centro-Oeste, de 3,1 pontos (50,8 para 47,7 pontos); os consumidores da região passaram a mostrar falta de confiança. A região Nordeste, com uma nova queda, se distanciou mais uma vez de sua média histórica, chegando a 45,3 pontos (1,7 ponto abaixo da média).

DADOS DA PESQUISA

Nome da pesquisa

ÍNDICE NACIONAL DE EXPECTATIVA DO CONSUMIDOR - JUNHO 2019

Margem de erro

2 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

Tema

Administração pública

CNI

INEC (Índice Nacional de Expectativa do Consumidor)

Contratante

CNI - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA

Período

20/06/2019 a 23/06/2019

Local

Brasil

Amostra

Foram realizadas 2000 entrevistas em 126 municípios.

ARQUIVO(S) PARA DOWNLOAD
INEC junho 2019
Pesquisa completa